Dor de garganta e Amigdalite: como reconhecer?

Dor de garganta e Amigdalite: como reconhecer?
0 30 janeiro 2018

Amigdalite é a inflamação da amígdalas, que são gânglios linfáticos presentes no fundo da garganta que atuam defendendo esta região de vírus e bactérias. As amígdalas desempenham papel importante no sistema de defesa do organismo. A repetição de processos infecciosos e inflamatórios faz com que percam a capacidade de exercer suas funções.

Como ficam expostas à passagem de ar, comida, bebida e tudo o que se leva à boca, acabam se tornando alvo de vírus e bactérias — e, na tentativa de combatê-los, o corpo aciona um processo inflamatório. As amígdalas incham e, nos quadros causados por uma infecção bacteriana, podem ficar até com pus.

Elas nos ajudam a criar anticorpos para combater bactérias agindo, assim, como grandes aliadas do sistema imunológico. Devido à sua localização estratégica – na encruzilhada entre a boca, o nariz e a garganta -, as amígdalas acabam percebendo e processando todas as bactérias que invadem o organismo, pelo ar ou pelos alimentos.

 

Sintomas da amigdalite:

Os sintomas da amigdalite geralmente são:

  • Dor de garganta por mais de 2 dias;
  • Dificuldade para engolir;
  • Garganta vermelha e inchada;
  • Febre e calafrios;
  • Tosse seca irritativa;
  • Perda do apetite;
  • Mal estar;
  • Pode haver pontos de pus na garganta (pontos brancos).

 

Quais os tipos?

  • Amigdalite bacteriana: geralmente causada por Streptococos e Pneumococos;
  • Amigdalite viral: geralmente causada pelos vírus Adenovírus, Epstein-barr, Citomegalovírus e vírus da parotidite;
  • Amigdalite aguda: quando a infecção dura até 3 meses;
  • Amigdalite crônica: quando a infecção dura mais de 3 meses ou é recorrente.

As amigdalites causadas por bactérias, além de não apresentarem os sintomas virais, típicos, como espirros e congestão nasal, costumam causar pontos de pus nas amígdalas e aumento dos linfonodos (gânglios) do pescoço. A dor de garganta causada por bactérias requer um tratamento mais específico.

A amigdalite é contagiosa, principalmente quando se trata de amigdalite viral, por isso para evitar a transmissão da doença é aconselhado:

  • Tossir sempre com um lenço na boca ou colocar o antebraço na frente da boca quando for tossir;
  • Lavar bem as mãos;
  • Não compartilhar toalhas, pratos, copos e talheres, por exemplo.

A transmissão da amigdalite ocorre pelo contato direto com gotículas de saliva do indivíduo contaminado, principalmente quando a saúde do indivíduo encontra-se enfraquecida como ocorre no caso de bebê e idosos, e por isso estes devem manter distâncias dos contaminados.

 

Fatores de risco:

Existem dois fatores de risco que aumentam a possibilidade de alguém desenvolver amigdalite. São eles:

Pouca idade

A doença atinge as crianças com maior frequência. Entretanto, as que tem menos de 2 anos de idade raramente são afetadas. As amigdalites causadas por bactérias geralmente ocorrem entre as idades de 5 a 15 anos, já as amigdalites virais são comuns em crianças mais novas que 5 anos.

Frequente exposição a germes

Por estarem em constante contato com colegas e, consequentemente, com diversos agentes patológicos, crianças no período escolar podem adquirir amigdalite mais facilmente.

 

Tratamento:

O tratamento é feito, normalmente, com a combinação de antibióticos nos casos de amigdalite causada por bactéria. É recomendado também o repouso e uma alimentação mais leve, com muito líquido e vitamina C. Os sintomas podem ser minimizados com o uso de analgésicos combinados com antiinflamatórios, gargarejos com água com bicarbonato ou solução com aspirina. Pastilhas e xaropes são recomendados, pois estimulam a secreção salivar e nela estão presentes os anticorpos de defesa do organismo contra agentes infecciosos. Em casos crônicos, pode ser recomendada a retirada cirúrgica das amígdalas.

Posted in Blog

Deixe um comentário

Share This