Cardiologia em pauta: especialista do Porto Dias conscientiza sobre as doenças e riscos cardiovasculares

Cardiologia em pauta: especialista do Porto Dias conscientiza sobre as doenças e riscos cardiovasculares
3 2 abril 2018

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte no mundo: mais pessoas morrem todos os anos por essas enfermidades do que por qualquer outra causa. Segundo a Organização Mundial da Saúde – OMS, mais de 17 milhões de pessoas morreram por doenças cardiovasculares no ano de 2015, representando 31% de todas as mortes em nível global. No Brasil, 300 mil pessoas morrem anualmente, ou seja, um óbito a cada dois minutos é acarretado por esse tipo de enfermidade.

Esses dados, por si só, mostram como é importante ficar atento à saúde do coração e de todo o sistema cardiovascular, trazendo ao foco um questionamento importante que ainda permeia a cabeça de muitas pessoas: existe um momento certo para consultar um cardiologista?

De acordo com o cardiologista do Hospital Porto Dias, Dr. Pedro Teixeira, esse momento pode variar, pois, quando não há fatores de risco, o ideal é que os homens iniciem as consultas regulares ao cardiologista aos 45 anos e, no caso das mulheres, aos 50 anos. Entretanto, um dos principais fatores de risco é a presença de histórico familiar de doenças cardiovasculares, tornando necessárias as consultas desde os 30 anos nos homens e 40 anos nas mulheres.

Essa diferença entre homens e mulheres acontece porque, durante a fase reprodutiva, a mulher está mais protegida.  “Mas, depois da menopausa, os riscos se igualam, ou são até maiores para as mulheres. A maior incidência de risco de infarto acontece com mulheres na menopausa: a probabilidade é de duas a três vezes maior que em mulheres na mesma faixa etária que ainda possuem ciclo menstrual”, afirma.

Os riscos de manter estilos de vida inadequados estão sendo cada vez mais discutidos e a população em geral vem, ainda que gradativamente, criando mais consciência de que os maus hábitos devem ser combatidos em todos os âmbitos da vida. Assim sendo, Dr. Pedro Teixeira destaca a importância de conhecer e evitar os fatores de risco para os problemas do coração: “Os mais importantes fatores de risco comportamentais, tanto para doenças cardíacas quanto para o Acidente Vascular Cerebral, os AVCs, são dietas inadequadas, sedentarismo, uso de tabaco e uso nocivo do álcool. Os efeitos desses fatores podem se manifestar por meio de pressão arterial elevada, glicemia alta, hiperlipidemia, sobrepeso e obesidade e indicam um maior risco de desenvolvimento de ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais, insuficiência cardíaca e outras complicações”, explica o cardiologista.

Para reduzir esses riscos, a orientação médica é de que a redução do sal na dieta, um maior consumo de frutas e vegetais, atividades físicas regulares, evitar o uso nocivo do álcool e a cessação do tabagismo têm se mostrado eficazes em auxiliar as pessoas a manter uma maior qualidade de vida. Além disso, o tratamento medicamentoso da diabetes, hipertensão e hiperlipidemia (colesterol e triglicérides) pode ser necessário para reduzir os riscos cardiovasculares e prevenir ataques cardíacos e AVCs.

As atividades físicas são importantíssimas na manutenção de uma vida saudável e livre de doenças como diabetes, hipertensão, colesterol alto e obesidade. No entanto, o especialista alerta sobre a importância de consultar o cardiologista ao iniciar uma atividade física: “A prática de exercícios leva a uma série de adaptações morfológicas que influenciam em mudanças no coração, dependendo do tipo, duração e intensidade dos exercícios físicos. Quem pratica atividades físicas de alto rendimento pode ter a frequência cardíaca desacelerada e até um atraso na condução do impulso elétrico do coração, o que demonstra a adaptação desse órgão às atividades desenvolvidas. Alertamos também para os perigos do futebol de fim de semana ou da musculação de alto impacto iniciada de repente. É necessário começar qualquer atividade física gradativamente, para que o organismo possa se adaptar”, afirma Dr. Pedro.

Além disso, segundo a Diretriz em Cardiologia do Esporte e do Exercício da Sociedade Brasileira de Cardiologia e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, é recomendado que todas as pessoas que praticam atividades físicas devem consultar o cardiologista, independente da idade, segundo orienta a tabela abaixo, da própria Diretriz:

Por isso, é fundamental consultar um cardiologista para a detecção precoce dos fatores de risco e, assim, evitar complicações cardíacas mais graves, promovendo uma vida mais longa e saudável ao paciente.

Posted in Notícias
Comentários (3)
Jeremias Moraes do NascimentoJuly 19Reply
Dr. Pedro, É muito importante a sua orientação e recomendação. Quem as lês e as praticas, seguirá um bom caminho. Peço ao doutor que nos explique, também, a influência dos hormônios (cortizol) sobre o coração quando há stress.
Giana AraújoSeptember 10Reply
Exemplo de Médico parabéns Dr Pedro
Valdeci SouzaOctober 11Reply
Ótima explicação DRT Pedro agora estou ciente nota 10

Deixe um comentário