Doenças em Pauta: Blefarite

Doenças em Pauta: Blefarite
0 20 agosto 2019

A blefarite é uma inflamação nas bordas das pálpebras que provoca remelas, crostas e outros sintomas como vermelhidão, coceira e a sensação de ter um cisco no olho. Todos possuem, na margem das pálpebras, junto dos cílios, glândulas que produzem uma secreção gordurosa. Essa secreção gordurosa faz parte da composição da nossa lágrima.

Em algumas pessoas essas glândulas não produzem essa secreção de forma correta. Isso pode ocorrer devido à alterações hormonais, à infecções bacterianas, a um excesso de gordura ou mesmo não ter um causa aparente.

Quando isso ocorre, acumula-se uma secreção junto dos cílios, chamada blefarite. Essa secreção pode causar coceira, vermelhidão e irritação tanto nas pálpebra quanto no próprio olho.

Esta alteração é bastante comum e pode surgir repentinamente, em pessoas de qualquer idade, inclusive bebês. Ela é causada por uma alteração nas glândulas de Meibomius, responsável por manter o equilíbrio da umidade ocular. Assim, quando existe uma blefarite estas glândulas deixam de ser capazes de produzir a oleosidade necessária para conter as lágrimas, o que potencializa a inflamação, sendo necessário ser avaliado por um oftalmologista.

Esta alteração nas glândulas de Meibomius pode ocorrer devido ao ato de esfregar os olhos, mas também pode ser causada por outras doenças como dermatite seborreica ou rosácea ocular.

Outras doenças que também afetam as pálpebras dos olhos são o terçol, cientificamente chamado de hordéolo e calázio, uma alteração onde as pálpebras também ficam vermelhas e inchadas e por isso sempre que os olhos estiverem irritados, vermelhos e inchados deve-se ir ao médico para descobrir a causa e assim iniciar o tratamento adequado.

Sintomas da blefarite:

A blefarite não é uma doença contagiosa e os sintomas incluem:

  • Vermelhidão e inchaço das pálpebras dos olhos;
  • Presença de crostas e escamas nas pálpebras
  • Coceira e irritação nos olhos;
  • Sensação de que há um cisco no olho;
  • Lacrimejamento constante dos olhos;
  • Fotofobia – dificuldade de manter os olhos abertos no sol.
  • Perda de cílios;
  • Dificuldade de abrir os olhos ao acordar.

O aumento da poluição, excesso de oleosidade da pele, poeira, ar seco e uso de ar condicionado de forma excessiva podem facilitar a instalação da blefarite.

Grupos de Risco:

Pessoas com tendência a pele oleosa

Quadros de blefarite crônica são comuns em pessoas com pele oleosa.

Isso acontece porque a produção excessiva de óleo pelas glândulas sebáceas pode favorecer diversas inflamações cutâneas – incluindo blefarite e acne.

Pessoas com tendência a caspa

De acordo com um levantamento feito por oftalmologistas do centro médico da Universidade do Texas, algo entre 33% e 46% dos pacientes com blefarite seborreica que passaram pela instituição têm problemas com caspa.

Pessoas com olhos secos

A Síndrome do Olho Seco é um problema caracterizado pela ineficiência do organismo em produzir lágrimas o suficiente para lubrificar os olhos.

Segundo pesquisa da Universidade do Texas, 50% das pessoas com quadros de blefarite também sofrem da Síndrome do Olho Seco.

Portadores de rosácea

A rosácea é uma doença crônica e inflamatória que atinge a pele, geralmente após os 30 anos de idade.

Diferenças entre as doenças:

ConjuntiviteSe manifesta através de uma irritação na parte branca do olho, que costuma ficar totalmente vermelha.Até uma semana em adultos.
TerçolÉ uma espécie de “bolinha” vermelha, como um inchaço, que surge perto das extremidades das pálpebras. Parece muito com uma espinha.Em média, de três a sete dias.
BlefariteA parte branca do olho e as bordas das pálpebras ficam vermelhas. Os cílios assumem um aspecto gorduroso e suas raízes ficam cobertas de secreções. Algumas pessoas podem apresentar descamação de pele.De semanas a meses.

Tratamento:

O tratamento para a blefarite é simples e pode ser feito com a correta limpeza dos olhos utilizando um colírio para limpar os olhos e remover as crostas e remelas. Mas pode ser útil colocar uma compressa morna nos olhos diariamente durante 15 a 20 minutos, cerca de 2 a 3 vezes por dia, até a completa remissão dos sintomas.

Quando o indivíduo possui blefarite causada por rosácea ocular é recomendado o uso de antibióticos em forma de comprimidos. No entanto, o médico também pode indicar o uso de pomadas antibióticas, contendo tetraciclina ou sulfa, que devem ser aplicadas nos olhos antes de dormir, porque elas podem deixar a visão embaçada

Consulte sempre o oftalmologista!

Posted in Blog

Deixe um comentário