Infectologista do Porto Dias esclarece sobre algumas doenças infecciosas em pauta no Brasil

Infectologista do Porto Dias esclarece sobre algumas doenças infecciosas em pauta no Brasil
2 1 março 2018

As doenças infecciosas têm causado grandes transtornos à população mundial ao longo do tempo. No Brasil, as transformações econômicas, sociais e demográficas ocorridas nos últimos 50 anos trouxeram consigo importantes mudanças no cenário dessas endemias e epidemias que até então assolavam nosso país. Ampliou-se a cobertura de saneamento básico, fazendo com que as condições habitacionais melhorassem. As novidades tecnológicas relacionadas à saúde, principalmente o avanço no desenvolvimento de vacinas, também é um dos principais fatores a contribuir para essa mudança positiva.

Mesmo com um cenário mais favorável, durante a década de 90 houve uma aceleração no processo de reaparecimento das doenças infecciosas, e elas voltaram a liderar como prioridade na saúde pública. O surgimento da AIDS teve grande impacto em nosso país nessa época. O comportamento da doença mudou bastante nos últimos 20 anos devido à evolução, tanto das pesquisas, quanto dos próprios recursos e diagnósticos, ajudando a estabilizar a taxa de mortalidade causada pelo vírus. Porém, de acordo com a infectologista do Hospital Porto Dias, Dra. Paula Miranda, a incidência da AIDS ainda é preocupante. “Em plena era digital, de sede por informações e de divulgação intensa de medidas de prevenção, os casos de HIV vem aumentando, principalmente na população jovem, do sexo masculino, apesar da queda da mortalidade por AIDS. Os avanços no tratamento e a melhor qualidade de vida das pessoas que vivem com HIV/AIDS podem levar a banalização das medidas de prevenção e do sexo seguro”, afirma.

Outra doença reemergente que já adquiriu importância internacional é a febre amarela, transmitida por mosquitos de duas categorias: febre amarela silvestre, pelo Haemagogus e Sabethe e febre amarela urbana, pelo Aedes aegypti.

O Brasil possui, historicamente, ciclos regulares e previsíveis de aumento de casos da doença a cada cinco anos. Esses intervalos vêm ficando menores e mais irregulares nos últimos anos, ocorrendo surtos em estados que estiveram livres da febre amarela por décadas, como é o caso de São Paulo e Minas Gerais.

Ainda que o recente surto dessa doença infecciosa esteja restrito a cidades com ambientes periurbanos, ou seja, que possuem casas próximas a matas e bosques, a preocupação é geral e o pânico tem se instaurado por todas as cidades, lotando os postos de vacinação país afora. Dra. Paula Miranda explica que os riscos sempre vão existir em populações não vacinadas em áreas de risco e tranquiliza os moradores da região Norte: “em nossa região, a vacina da febre amarela faz parte do calendário regular de vacinação, o que diminui a probabilidade de novos casos. A vacinação é a principal medida de prevenção da doença”, alerta a médica.

Durante o mês de janeiro, inicia-se o período de chuvas em nossa região Norte, e, com ele, aumenta a incidência de novos casos de doenças transmitidas por gotículas respiratórias e também de doenças infecciosas transmitidas por mosquitos. “Para evitá-las, deve-se procurar sempre higienizar as mãos, para os casos das doenças transmitidas por gotículas, como a gripe e usar repelentes para os casos das doenças transmitidas por mosquitos, como a dengue”, explica a médica.

Posted in Notícias
Comentários (2)
marcely2019 February 20Reply
boa noite me chamo Marcelly bom no meu caso apareceu um nódulo em baixo do meu maxilar a uns meses procurei o hospital para verificar o que estava havendo, fiz alguns exames e esse nódulo estava a 1cm e o medico que me avaliou disse se não sumisse e continuasse a crescer era pra eu procurar um infectologista pelo meu plano. já estou preocupada porque já tomei vários medicamentos e esse nódulo nada de sumir
Hospital Porto Dias2019 February 26Reply
Olá, Sra. Marcelly, indicamos que você marque uma consulta com um infectologista para descobrir a origem desse nódulo e chegar a um diagnóstico. Ligue para o nosso Call Center e agende: (91) 3084-3000 / 3184-9999. Obrigado!

Deixe uma resposta para Hospital Porto Dias Cancelar resposta