Prevenindo doenças cardiovasculares: controle do colesterol

Prevenindo doenças cardiovasculares: controle do colesterol
0 20 agosto 2020

O colesterol é um tipo de gordura produzida pelo nosso organismo e que é necessária para produzir hormônios e também a vitamina D, porém, com as novos hábitos da população, as taxas de colesterol comumente ficam alteradas e acabam tendo efeito no funcionamento de vários órgãos, provocando doenças cardiovasculares como o infarto, AVC e tromboses arteriais.

Quando elevado, o colesterol aumenta o risco de depósitos de placas ateroscleróticas na parede das artérias, causando a obstrução delas.

Aproximadamente 70% do colesterol é produzido pelo nosso próprio organismo, no fígado, enquanto que os outros 30% são provenientes da dieta. Contudo, ao consumir grandes quantidades de alimentos ricos em gordura, o fígado acaba produzindo mais colesterol do que o normal. O colesterol circula no sangue e, à medida que os níveis de colesterol no sangue aumentam, aumenta também o risco para a saúde. É por isso que é importante ter seu colesterol testado para que você possa conhecer seus níveis.

O começo do tratamento é sempre feito com mudanças no estilo de vida, como a prática de atividades físicas regulares, no mínimo 150 minutos por semana. Pequenas mudanças já podem ter grandes benefícios. A ingestão de alimentos ricos em gorduras, frituras, carnes gordurosas, assim como tabagismo e o uso de bebidas alcoólicas, deve ser evitada. Frutas e verduras estão liberados e seu consumo é estimulado.

Fatores de risco

A maioria das possíveis causas para se desenvolver colesterol alto são atitudes que podemos controlar. Existem apenas alguns fatores de risco para o colesterol elevado que estão fora do nosso alcance.

Sexo e Idade

Ser mulher na menopausa aumenta o risco de colesterol alto. O hormônio feminino enquanto produzido oferece um efeito protetor sobre o colesterol HDL. Por esta razão, desde a puberdade até a menopausa, as mulheres geralmente têm níveis mais elevados de colesterol HDL “bom” e níveis mais baixos de colesterol LDL “mau” do que os homens. Após a menopausa, as mulheres tendem a ter níveis mais elevados de LDL do que os homens, aumentando as chances de doença coronária.

História familiar

Ter uma história familiar de colesterol alto é também um fator de risco. Se o colesterol alto é devido aos genes herdados, uma pessoa pode nascer com níveis elevados de colesterol LDL devendo realizar acompanhamento médico desde a infância.

Obesidade

Um índice de massa corporal (IMC) de 30 ou mais coloca uma pessoa em maior risco de colesterol alto.

Inatividade Física

Não fazer exercícios aumenta o risco de colesterol LDL alto.

Fumar

O tabagismo prejudica as paredes arteriais tornando-as mais suscetíveis ao acúmulo de colesterol LDL. Fumar também pode diminuir o colesterol HDL.

Diabetes

Pessoas com diabetes mellitus são mais suscetíveis a possuírem baixos níveis de colesterol HDL “bom” e níveis elevados de colesterol LDL “mau”. Assim como o tabagismo, o açúcar elevado no sangue pode danificar as paredes arteriais.

Alimentação

Uma dieta rica em gordura saturada, gordura trans e açúcar pode elevar o LDL “mau” e os níveis de triglicerídeos, aumentando o risco geral de colesterol alto.

Uma dieta rica em gorduras insaturadas e pobres em gorduras saturadas está indicada para todas as pessoas, independente do valor do seu colesterol. Porém, se você tem dislipidemia, seguir esta dieta é ainda mais importante.

Entretanto, nem sempre a dieta sozinha resolve o problema do colesterol alto, isto porque o aumento do colesterol LDL está relacionado a fatores genéticos e alimentares. 70% do nosso colesterol é de origem endógena (produzido pelo fígado) e apenas 30% vem da alimentação. Logo, se os valores do LDL forem muito elevados, somente a dieta não será suficiente para normalizar os valores do colesterol ruim.

Colesterol alto não provoca sintomas. Portanto colesterol alto não causa cansaço, dor de cabeça, falta de ar, dor no peito, palpitação, prostração ou qualquer outro sintoma. O colesterol alto é uma doença silenciosa. A única maneira de saber os níveis de colesterol é através do exame de sangue.

Mesmo quando o paciente apresentar valores extremamente elevados não irá apresentar sintomas. Os sintomas como dor no peito, falta de ar, palpitação podem estar associados a uma doença causada pelo aumento dos níveis de colesterol com agnina pectoris ou mesmo infarto agudo do miocárdio.

Posted in Blog