Entenda como a Fisioterapia é essencial na recuperação da Covid-19

0 29 maio 2020

A fisioterapia atua em vários âmbitos. A fisioterapia motora é a mais conhecida, restaurando a perda funcional, reduzindo incapacidades e aprimorando a funcionalidade do paciente. Porém, existe também a fisioterapia respiratória, que possui importante papel tanto no tratamento como na recuperação de enfermidades causadas pela Covid-19, doença que em casos mais grave afeta diretamente o pulmão, com sintomas ligados à perda de capacidade respiratória.

Os exercícios realizados pelos fisioterapeutas para recuperar a capacidade respiratória são usados em períodos de internação em unidades de tratamento intensivo (UTI), mas podem ser importantes mesmo nas situações em que a pessoa se tratou em casa. Os fisioterapeutas são um dos profissionais da saúde que tem trabalhado incansavelmente na linha de frente no combate à pandemia da Covid-19.

Entendendo melhor sobre a fisioterapia respiratória

A fisioterapia respiratória contribui para prevenir e tratar vários aspectos das desordens respiratórias, como obstrução do fluxo aéreo, retenção de secreção, alterações da função ventilatória, dispneia, melhorar a oxigenação do sangue, promover reexpansão pulmon

0 26 maio 2020

Muitos países, após passarem pelo pico de contaminação, já estão começando a retornar suas atividades comerciais e sociais. Aqui no Brasil, os casos ainda estão crescendo, porém alguns estados já começam a pensar em uma flexibilização do isolamento social. No Pará, com o fim do lockdown, as ruas já estão começando a ficar mais cheias e um fluxo bem maior de pessoas vem sendo visto, além do retorno ao trabalho em alguns setores. Porém, até o momento, o distanciamento social se mostrou uma das principais medidas de proteção contra a COVID-19. Então como retornar as atividades com mais segurança?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda cautela no relaxamento do isolamento social e de outras restrições à movimentação das pessoas até que as transmissões estejam controladas.  

Quais cuidados devo tomar no transporte público?

É importante lembrar que a recomendação ainda é ficar em casa. Caso precise retornar ao trabalho ou precise sair de casa, atente-se às recomendações::

  • Utilize máscara;
  • Evite transportes coletivos lotados;
  • Em táxis, sentar-se
0 22 maio 2020

A convite da OMS, um grupo de especialistas em saúde pública fez uma análise de estudos já publicados em relação à covid-19 e ao tabagismo, onde foi constatado que os fumantes possuem maior probabilidade de desenvolver as doenças graves e as complicações da infecção de maneira mais grave em comparação com os não fumantes, incluindo um maior risco de óbito.

O tabaco é responsável por diferentes tipos de inflamações em nosso corpo, e prejudica os mecanismos de defesa do organismo, de acordo com o INCA. Assim, os fumantes têm maior risco de infecções por vírus, bactérias e fungos e são acometidos com maior frequência por infecções como sinusites, traqueobronquites, pneumonias e tuberculose. Devido a um possível comprometimento da capacidade pulmonar, o fumante possui mais chances de desenvolver sintomas graves da doença.

O Brasil é um país que já alcançou enormes avanços em relação ao controle do tabagismo através de leis nacionais de fumo em ambiente fechado, e ter o tratamento já disponibilizado na atenção básica. Porém, ainda temos uma grande população de fumantes no país. Então o controle torna-se cada vez mais importante não somente porque o tabagismo é um importante fator de risco para DCNTs, mas pe

0 22 maio 2020

Dúvidas, medos, incertezas, tédio, falta de perspectiva. Esses são alguns sentimentos bem comuns em tempos de pandemia e é normal que eles apareçam, afinal a situação de toda a população mundial é nova e surgiu como uma surpresa. Porém, esses sentimentos afetam diretamente nossa saúde e bem-estar, e é preciso controlá-los para manter um equilíbrio físico e emocional.

Você sabia que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é líder em volume de pessoas ansiosas do mundo, com 18,6 milhões de brasileiros. Isso representa cerca de 10% da população convivendo com a ansiedade. E isso tudo pode se agravar mais ainda com a pandemia e o isolamento.

Entender que o medo é uma reação natural ao desconhecido é essencial. Ele é a nossa defesa instintiva frente às ameaças vivenciados em nosso cotidiano. Estar passando por uma pandemia pode despertar sensações de desamparo, que pode atenuar o medo e a insegurança em frente ao casos de adoecimento coletivos. E o que fazer? O melhor antídoto para tais situações é o conhecimento. A utilização de fontes de informação confiáveis é um meio de tranquilização. É necessário, também, não se deixar bombardear pelo fluxo contínuo de dados que chegam até nó

0 21 maio 2020

A vitamina D possui função primordial no equilíbrio de diferentes órgãos e funções do nosso organismo, principalmente no metabolismo do cálcio. Ela também regula nossa imunidade, age no controle de inflamações e da pressão arterial e pode ajudar a evitar doenças crônicas como diabetes, esclerose múltipla, câncer, depressão e doenças autoimunes. Apesar de estar presente em diversos alimentos, como óleo de fígado de bacalhau, bife de fígado, gema de ovo, peixes (atum, sardinha, salmão), cogumelos, ostras e leite, as fontes alimentares respondem por apenas 10 a 20% da vitamina D necessária para os seres humanos, sendo o restante sintetizado pela pele quando exposta ao sol.

Desde o surgimento da pandemia do Coronavírus, essa vitamina vêm sendo bastante discutida. Na Itália, médicos relataram que pacientes hospitalizados pela Covid-19 apresentavam taxas baixas de Vitamina D e sugeriram que a adequação dos níveis seria um reforço na proteção e no tratamento contra a doença. Porém, até o momento ainda não há comprovação científica e não há um consenso sobre o uso da vitamina D com função preventiva ou terapêutica diante da doença.

Ainda assim, muitas pessoas têm optado pelo uso de suplementação por conta pró

0 18 maio 2020

A hipertensão é uma doença que atinge cerca de 35% da população brasileira e é um grande fator de risco para a Covid-19. A média de mortalidade da Covid-19 para a população em geral é de cerca de 3%, variando de país para país. Nos portadores de doenças cardiovasculares em geral, a taxa salta para 10,5%. Isso porque o cardiopata possui um endurecimento das artérias e outras alterações que comprometem o fluxo sanguíneo para o pulmão. Uma circulação comprometida também dificulta a chegada de anticorpos e células de defesa nos locais atingidos por infecções.

Além dos hipertensos, entram na lista de atenção extra indivíduos que já tiveram infarto ou derrame, possuem obstruções nas artérias, insuficiência cardíaca, placas de ateroma ou outros males no peito.

Deve-se suspender o remédio para pressão alta?

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia e a Sociedade Brasileira de Hipertensão, não se deve suspender e o tratamento usual deve permanecer. Recomenda-se que o manejo do paciente hipertenso, com insuficiência cardíaca ou diabetes Mellitus permaneça o mesmo, porém com uma atenção especial devido ao fato de que esses constituem um grupo

0 15 maio 2020

Por ser uma doença nova e com o aumento de casos de Coronavírus em todo o mundo, os métodos de prevenção, tratamento e diagnóstico da doença ainda vem sendo estudados e debatidos. Como sabemos, a testagem para a Covid-19 no Brasil não está sendo realizada em larga escala, com grande parte da população sem ter acesso ao teste. Dessa forma, alguns exames podem auxiliar nesse diagnóstico, como é o caso da Tomografia Computadorizada do Tórax.

O vírus tem como alvo principalmente o sistema respiratório, portanto, as imagens radiológicas do tórax tem um importante papel.

De acordo com um trabalho conduzido por pesquisadores americanos de centros de pesquisa de Rhode Island e pesquisadores chineses de Hunan, foi avaliado o desempenho de radiologistas (3 chineses e 4 americanos) em diferenciar tomografias computadorizadas de tórax de pacientes diagnosticados com COVID-19 de pacientes com pneumonia viral. A amostra era constituída de 424 exames de TC, sendo que desses 219 eram positivos para o coronavírus e o demais 205 para pneumonia viral. Para um grupo de 58 casos escolhidos de forma aleatória, os radiologistas obtiveram a precisão de 82% em diferenciar os dois casos.

Através do res

0 14 maio 2020

Durante a pandemia, alguns cuidados a mais são necessários para quem possui asma, uma doença inflamatória crônica que atinge as vias aéreas. De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (ASBAI), pessoas com asma não são mais propensos a adquirir a infecção por coronavírus, porém estão mais vulneráveis a desenvolver complicações caso sejam infectados. A recomendação, portanto, é não interromper o tratamento da asma, utilizando os medicamentos inalatórios corretamente, pois eles são seguros em caso de infecção por Coronavírus.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), embora uma a cada seis pessoas possa apresentar dificuldade para respirar, cerca de 80% dos pacientes se recuperam da doença sem precisar de tratamentos especiais. Ao notar qualquer sintoma respiratório, é importante buscar orientação médica.

Os asmáticos devem reforçar a atenção nos cuidados diários, para que, caso venham a contrair o vírus, estejam devidamente protegidos e com a asma controlada, possibilitando um curso mais leve da doença. Como o Coronavírus é uma doença que pode atingir os pulmões e a asma é também uma doença que causa comprometimento pulmonar, se a pessoa não tem a asma sob controle e vive em crise

0 13 maio 2020

Muitas pessoas nem sabem, mas estão higienizando suas mãos de forma errada e ineficiente. O ato de lavar as mãos com água e sabão ou com álcool gel é uma das melhores formas para nos prevenirmos do Coronavírus. Mas você sabe como fazer isso de forma eficiente e que realmente irá proteger você? Separamos um passo a passo. Lembre-se que a duração da higienização deve ser de 20 a 30 segundos.

Como aplicar:

• Remover anéis e pulseiras;

• Aplicar na palma da mão quantidade suficiente do produto para cobrir todas as superfícies da mão;

• Friccionar as palmas das mãos entre si;

• Friccionar a palma da mão direita contra o dorso da mão esquerda entrelaçando os dedos e vice-versa;

• Friccionar a palma das mãos entre si com os dedos entrelaçados;

• Friccionar o dorso dos dedos de uma mão com a palma da mão oposta, segurando os dedos e vice-versa;

• Friccionar o polegar direito, com o auxílio